quarta-feira, 16 de abril de 2014

Barreiras:Presos executam companheiro de cela e manda recado ao juiz da Vara de Execuções Penais do Municipio



O presidiário Gonçalo Irene Filho, 32 anos foi encontrado morto na área externa da cela onde era mantido no Complexo Policial do bairro Aratu, em Barreiras BA, na noite desta terça-feira, 15, aproximadamente às 20h 00. Sobre o corpo havia uma faixa de protesto dos encarcerados. A polícia esclarece que a citação na faixa é um recado desaforado dos detentos ao juiz titular da Vara de Execuções Penais da Comarca de Barreiras, Dr. Gabriel de Moraes Gomes.
A equipe de perícia do IML regional encontrou o corpo com uma corda artesanal amarrada no pescoço, feita provavelmente com lençol, lesão na cabeça e um dos olhos perfurado. “presumimos que ele tenha sido morto com golpes de objeto contundente”, observou o delegado titular Seccional Francisco Carlos de Sá. A hipótese de enforcamento também não está descartada, mas só poderá ser confirmada através de exames do Departamento de Polícia Técnica.

Não se rejeita ainda a possibilidade de terem arremetido a cabeça do detento contra as grades da cadeia até a morte, porque antes da execução ocorreu uma vistoria na unidade prisional por volta das 16h 00 com apoio da Polícia Militar, onde foram apreendidas sete barras de ferro, cordas e vários aparelhos celulares.
Devido a suspeita de algum objeto contundente ter sido usado no assassinato, hoje deve acontecer uma nova vistoria nas celas, haja vista que seria muito trabalhoso e arriscado realizar o trabalho de busca no período noturno.

O delegado observou que o preso era conhecido como Gessé e possuía sete entradas na cadeia pública local, as mais graves por porte-ilegal de arma de fogo, furto e um homicídio, que teve como vítima um individuo conhecido por Reginaldo (Filho da Piaba). “Ele também era suspeito da morte de dois irmãos desse mesmo rapaz”.

Apesar das constantes transferências de detentos condenados para unidades prisionais de Salvador e outros municípios da região Oeste da Bahia, atualmente nesta cadeia pública são mantidos mais de cem presos. Sua capacidade é para abrigar 28 homens.
Condições sanitárias da delegacia, falta de ventilação nas celas, celeridade no julgamento de processos, são algumas das constantes queixas apresentadas pelos custodiados, os quais reclamam de problemas de saúde e realizam motins praticamente todos os dias.
Delegados e Agentes Investigadores da Polícia Civil aguardam ansiosos pela construção do Centro de Detenção Provisória regional, para onde todos os reclusos devem ser encaminhados a partir de setembro deste ano, data prevista pelo Governo do Estado para conclusão da obra.


 Alô Alõ Salomão

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...